Plano Unesp Saúde

Por Unesp SaúdeJulho/2019

Saiba como combater o tabagismo


Até pouco tempo o ato de fumar era considerado um charme, símbolo de status e de rebeldia entre os adolescentes e, acredite, houve uma época em que certificavam que o tabaco era capaz de curar doenças. Mas, hoje, graças ao avanço da ciência e da tecnologia, sabemos, comprovadamente, o quão prejudicial é o ato de fumar.

Para se ter uma ideia o fumante inala e leva ao seu pulmão a nicotina – que é cancerígena – agrotóxicos, solvente, metais pesados (chumbo e o cádmio), substâncias radioativas: polônio 210 e carbono 14, além do Benzopireno que facilita a combustão existente no papel que envolve o fumo.

O que é o tabagismo?

Reconhecido como uma doença epidêmica que causa dependência física, psicológica e comportamental semelhante ao que ocorre com o uso de outras drogas como álcool, cocaína e heroína, o tabagismo é a principal causa de morte evitável em todo o mundo, sendo responsável por 63% dos óbitos relacionados às doenças crônicas não transmissíveis, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, OMS. Consumido pela população mundial há milhares de anos, o tabaco, antes relacionado a poder e status social, se disseminou rapidamente com a industrialização dos cigarros e as diversas ações de marketing relacionadas ao produto.

O resultado da industrialização e comercialização do tabaco foi catastrófico, o que levou as instituições governamentais a tomarem atitudes drásticas com foco na saúde e bem-estar da população. No Brasil, as campanhas de saúde pública, a proibição da publicidade de tabaco nos meios de comunicação, o aumento dos tributos e preços do tabaco, as leis que protegem a população dos efeitos da fumaça do tabaco (ambientes livres de tabaco), e a oferta de tratamento gratuito na rede pública, a partir de 2004, dentre outras medidas preconizadas pela Convenção Mundial para o Controle do Tabaco, têm produzido efeitos e avanços no controle desta pandemia.

Mas por que a inalação involuntária à fumaça do tabaco pode levar à morte?

A fumaça que sai da ponta do cigarro e se difunde homogeneamente no ambiente contém, em média, três vezes mais nicotina, três vezes mais monóxido de carbono e até 50 vezes mais substâncias cancerígenas do que a fumaça que o fumante inala. Nesse contexto, o fumante passivo pode sofrer reações alérgicas (rinite, tosse, conjuntivite, exacerbação de asma) em curto período, até infarto agudo do miocárdio, câncer do pulmão e doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema pulmonar e bronquite crônica) em adultos expostos por longos períodos. Em crianças, aumenta o número de infecções respiratórias.

Há diversos motivos para parar de fumar

Estima-se que 80% dos fumantes queiram parar de fumar, mas acabam sempre deixando esse dia para trás. Por isso, separamos uma lista de motivos para superar o vício e largar o tabaco hoje mesmo.

Pela família e entes queridos

  • Dar bom exemplo aos filhos
  • Prevenir doenças como a bronquite, rinite, asma e otite nos filhos
  • Melhorar as relações com familiares e amigos
  • Economizar dinheiro
  • Viver muitos anos para poder desfrutar com seus filhos e/ou netos

Para ter mais saúde

  • Respirar melhor, ter mais fôlego
  • Ter mais disposição para caminhar
  • Sofrer de menos resfriados e tosse
  • Ter menos problemas digestivos
  • Evitar o câncer de pulmão e outros tipos de câncer
  • Reduzir o risco de infarto, de derrame cerebral e enfisema

Para melhorar a aparência física

  • Acabar com o mau hálito
  • Eliminar a cor amarela dos dentes e dedos
  • Ter a pele mais saudável, cabelos mais perfumados, sem o cheiro do cigarro
  • Sentir o aroma das coisas
  • Receber um abraço carinhoso e o elogio de estar mais cheirosa (o)